07/04/15

EXALTAÇÃO E ESPLENDOR - Escultura Barroca em Portugal | CURSO LIVRE




As orientações propostas pelo Concílio de Trento revestiram-se, também em Portugal, de particular relevância, no que à produção de imagens concerne. O rápido acolhimento dos modelos tridentinos, potenciado pelo largo período durante o qual se fizeram sentir, motivaria um assinalável desenvolvimento dos diversos domínios das artes plásticas.

Procurando adequar a representação a um propósito catequético e de reafirmação do culto, defende-se então o papel da imagem como meio de aproximação à Fé, não apenas com recurso à sua iconografia, mas também por via da qualidade plástica de cada obra, como meio de credibilização da mensagem a emular.

Movimento ímpar e sem precedentes, assiste-se então a uma vasta criação de imagens religiosas, onde a escultura ocupa lugar de destaque. Encarregues da sua concretização, proliferam por todo o país operosas oficinas e resgatam-se do anonimato os nomes de alguns dos mais notáveis mestres da produção escultórica nacional. Reformulando ou reinventando os espaços sacros, enchem-se os novos altares com exaltadas representações dos mistérios da Fé, de Cristo, da Virgem e dos Santos.

O presente curso propõe, assim, um percurso em torno da escultura portuguesa do período Barroco, incidindo no seu processo criativo, iconografia, paradigmas, especificidade geográfica, autores e obras, em particular aquelas produzidas no quadro da Reforma da Igreja Católica.



Calendário
4 Sessões às terças-feiras
5, 12, 19, 26 de maio de 2015

Horários
Das 18h30-20h00

Inscrições
40,00 € (público em geral)
35.00 (sócios da LaMASE - Liga dos Amigos do MASE)
Número máximo de inscrições: 30
Inscrições online: masefatima.blogspot.pt
Data limite de inscrições: 30 de abril

Programa

I. Algumas definições e conceitos
Escultura e imagem, escultor e imaginário
Oficinas, escolas e academias

II. As Directrizes litúrgicas
A produção de imagens no contexto da Reforma Católica
Uma espiritualidade renovada: normativa e iconografia

III. O processo de encomenda
A encomenda e os encomendadores
Instruções, condicionalismos e controle

IV. As Matrizes iconográficas
A arte de inventar ou o “talento de bem furtar”
Fontes de inspiração e modelos

V. Centros produtivos e artistas
A produção no contexto das ordens religiosas
Italianos em Portugal, portugueses entre italianos


Nota biográfica
Directora do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja, da Conferência Episcopal Portuguesa. Doutorada em Letras - especialidade História da Arte, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Investigadora integrada do Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Património da Universidade de Coimbra. 



0 comentários: